Sementes Fiscalizadas

Telefone (+55):
55 3322 6790 ou 8111 2902

sementes@sementesfiscalizadas.com.br - Skype | MSN | E-mail

POR FAVOR "NÃO AJUDEM" A AGRICULTURA; PROPORCIONEM AOS AGRICULTORES UMA EDUÇÃO ÚTIL.

Publicada em 15/10/2008 às 10:35:18

POR FAVOR Por favor, não "ajudem" a agricultura; proporcionem aos agricultores uma educação ÚTIL





Em apenas 12 anos a agricultura brasileira duplicou a sua produção de grãos, passando de 58 para 122 milhões de toneladas por ano;adicionalmente obteve significativos aumentos na produção e exportação de outros bens agrícolas e pecuarios. Sem anúncios nem celebrações, o agronegócio assumiu o papel de "locomotiva" da economia brasileira que está dando uma enorme ajuda na solução dos problemas nacionais. E, diga-se de passagem, isto aconteceu graças à iniciativa e ao esforço dos próprios agricultores, os quais conquistaram este êxito com mínima ajuda governamental.



Nesses mesmos 12 anos os governos não formularam macro-políticas de apoio ao desenvolvimento da agricultura, não fizeram grandes investimentos em infraestruturas de estradas, portos e armazenagem, não instituíram o desejado seguro agrícola. Reduziram o montante do crédito rural oficial e debilitaram instituições públicas de educação, pesquisa e extensão agrícola. Aumentaram alguns impostos, privatizaram as rodovias e instituíram pedágios que oneraram os custos de produção e de distribuição das colheitas. Não concederam subsídios aos nossos produtores e não adotaram importantes medidas tarifarias de proteção contra a importação de produtos agrícolas do estrangeiro.



Nesse período algo similar ocorreu no âmbito externo: o FMI, a OMC e o Banco Mundial não modificaram as suas políticas em relação à agricultura, os preços dos nossos produtos de exportação nem sempre foram favoráveis, os países ricos continuaram subsidiando fortemente os seus agricultores e impondo crescentes restrições, tarifárias e não tarifárias, à importação das nossas colheitas.



Em resumo, nesses 12 anos não foi adotadanem interna nem externamentenenhuma das medidas clássicas que propunham e continuam propondo muitos especialistas em desenvolvimento agrícola e líderes rurais. E, apesar de todas estas adversidades, reais ou imaginarias, a produção de grãos duplicou.



Esta contradição, entre a inércia dos governos e o êxito da agricultura, é tão surpreendente e importante que não pode ser ignorada nem sequer subestimada. Ela denuncia que, em muitos casos, as antigas "receitas e as frondosas burocracias públicas encarregadas de executá-las foram uns gigantescos desperdícios de recursos e um rotundo fracasso. Enquanto elas estavam vigentes, em vez de estimular as iniciativas dos agricultores e promover o desenvolvimento do setor agropecuário, produziram um efeito contrário. Esta contradição exige que façamos um sério questionamento às propostas convencionais de desenvolvimento agrícola; esta contradição está demonstrando que estavam equi vocados, tanto os que reivindicavam como os que formulavam certas políticas de apoio à agricultura; estas em certos casos ajudaram muito mais a alimentar um Estado autofágico e corporativista que a solucionar os problemas concretos dos agricultores e da agricultura.



A mencionada contradição também nos impõe a seguinte pergunta:concreta e objetivamente, a que se deveu a duplicação da produção de grãos aqui descrita, se os governos-por ação ou por omissão-fizeram exatamente o contrário do que propunham os "especialistas" e "lideres" rurais? Se deveu principalmente ao seguinte fator: uma minoria de agricultores, mais lúcida e progressista, se cansou das reivindicações utópicas dos seus próprios líderes, das propostas ingênuas de certos "especialistas" em desenvolvimento agrícola e da ineficiência do Estado. Esta minoria, que com certeza não chega a 10% dos produtores rurais, foi a que, em grande medida, contribuiu à duplicação aqui descrita. Esta minoria decidiu ignorar a retórica paternalista e, tomar em suas próprias mãos, a correção das ineficiências do agronegócio, fazendo-o dentro das suas propriedades e, em certos casos, organizando-se para fazê-lo fora das porteiras das mesmas. Os agricultores que protagonizaram esta "revolução" produtiva foram premiados com um grande êxito econômico; não porque as políticas tenham sido favoráveis ou porque os governos tenham sido generosos na injeção de recursos à agricultura, mas sim porque eles se tornaram mais eficientes. No entanto, ainda não podemos entusiasmar-nos com este êxito, porque ele é muito parcial e excludente.



É parcial porque os agricultores que já atingiram essa maior eficiência ainda podem tornar-se muito mais eficientes e conseqüentemente muito mais bem sucedidos na atividade agrícola. Para isto necessitam executar uma segunda etapa de inovações, cuja concretização, a exemplo do que ocorreu na etapa anterior, também depende muito mais deles mesmos que dos seus respectivos governos. Nesta segunda etapa necessitarão: aumentar ainda mais os seus rendimentos por unidade de terra e de animal, diversificar a produção para reduzir a dependência do crédito rural e para evitar riscos desnecessários, reduzir perdas durante e depois da colheita, melhorar a qualidade dos seus produtos e incorporar-lhes valor, racionalizar a administração d as suas propriedades para eliminar superdimensionamentos e ociosidades nelas existentes e, especialmente, corrigir os erros que eles continuam cometendo tanto na aquisição dos insumos como na comercialização dos seus excedentes. Se eles executarem esta segunda etapa atingirão a denominada eficiência total ou integral, que é o único "passaporte" capaz de assegurar-lhes rentabilidade, competitividade e êxito econômico na agricultura, independente do que façam ou deixem de fazer os seus respectivos governos ou os governos dos países ricos.



É Excludente porque os outros 90% de agricultores, carentes de conhecimentos e espírito empresarial, ainda são vítimas de desatualizados "especialistas e líderes" rurais que continuam iludindo-os com obsoletas, utópicas e ineficazes ajudas paternalistas; e mantendo esta maioria no círculo vicioso da ineficiência, da dependência e da pobreza rural. Tais "especialistas e líderes" continuam propondo que os agricultores mendiguem créditos que não conseguirão devolver e cestas básicas que apenas alimentarão o seu sentimento de incapacidade; em vez de recomendar-lhes que exijam dos seus governos uma educação rural de qualidade que ensine, a eles e aos seus filhos, os conhecimentos úteis, as aptidões e as atitudes que nece ssitam adquirir para que eles também possam fazer algo similar ao que fizeram os agricultores inovadores; e, através desta medida realista, tornem-se menos dependentes de um Estado que está cada vez mais debilitado, empobrecido e inoperante.



A estes 90% de agricultores que ainda não conseguiram participar desta extraordinária revolução de eficiência e de produtividade na agricultura, o sistema educativo rural (escolas fundamentais rurais, escolas agrotécnicas, faculdades de ciências agrárias e serviços de extensão rural ) deverá proporcionar as competências necessárias; a fim de que eles também possam incorporar-se ao grupo daqueles que tomam iniciativas, que introduzem inovações, que corrigem as suas próprias ineficiências; isto é, ao grupo daqueles que solucionam os seus próprios problemas em vez de continuar esperando que outros o façam por eles. O referido sistema educativo deverá formá-los e capacitá-los para que estejam em condições de progredir através da sua própria vontade, esforço e capacidade.Com tal objetivo o Estado moderno deverá promover uma profunda "revolução" na qualidade e na pertinência dos conteúdos do sistema educativo rural. Os seus conteúdos curriculares e os seus métodos de ensino deverão ser submetidos a uma radical transformação de realismo, de objetividade, de pragmatismo e de adequação às verdadeiras necessidades das famílias rurais.Os referidos conteúdos deverão ser úteis para que sejam aplicáveis, pelos próprios educandos, na correção das ineficiências e na solução dos problemas que eles enfrentam na vida cotidiana dos seus lares, propriedades, comunidades e mercados rurais.Transmitir conhecimentos úteis &eacu te; a principal missão de uma educação útil.



E para concluir, a seguinte reflexão:Proporcionar aos agricultores os conhecimentos necessários para que eles mesmos possam resolver os seus problemas é a solução de maior eficácia e de menor custo; e, por que não dizê-lo, para os governos debilitados e empobrecidos este é o único caminho possível para que o desenvolvimento rural com equidade deixe de ser um enunciado de boas intenções e passe a ser uma possibilidade concreta.



Na Página web http://www.polanlacki.com.br e na nova Página http://www.polanlacki.com.br/agrobr

estão incluídos vários artigos que: i)- demonstram que os próprios agricultores, se possuíssem os conhecimentos necessários, poderiam solucionar os seus problemas com mínima dependência da ajuda estatal e ii)- indicam quais são as medidas tecnológicas, gerenciais e organizacionais que eles poderiam adotar para construir a sua emancipação. Estes artigos também poderão ser enviados gratuitamente aos interessados que dirigirem as suas solicitações aos seguintes endereços eletrônicos: Polan.Lacki@uol.com.br e Polan.Lacki@onda.com.br


Fonte: POLAN LACKI.