Sementes Fiscalizadas

Telefone (+55):
55 3322 6790 ou 8111 2902

sementes@sementesfiscalizadas.com.br - Skype | MSN | E-mail

Farsul alerta sobre atual preço da soja e a relação com o dólar.

Publicada em 22/09/2015 às 22:06:14

Farsul alerta sobre atual preço da soja e a relação com o dólar.Farsul alerta sobre atual preço da soja e a relação com o dólar.


Ainda que o consumo de Soja continue crescendo com força, puxado principalmente pela China, as produções dos EUA e também do Brasil nos últimos dois anos cresceram bem acima do crescimento da demanda.

O aumento dos estoques decorrente desse desencaixe entre oferta e demanda mundial, associado à queda da taxa de câmbio no Brasil, resultou em forte queda no preço mundial da Soja, como pode ser visto do gráfico a seguir:

Soja Farsul - Gráfico 1

O preço da Soja em Dólares, no início de setembro de 2014, estava em US$ 25,00 por saco de 60kg. Em razão dos motivos já elencados o preço atual da Soja em Dólares está em US$ 18,32, o que significa uma queda de 26,70% em um ano. O preço atual representa menos da metade do preço de pico alcançado em setembro de 2012, o que nos dá uma dimensão das quedas no preço da Soja, conforme pode ser visto no gráfico anterior. Os preços atuais representam os níveis de 2010.

A queda dos preços da Soja tem preocupado seriamente os produtores de quase todo o mundo inteiro, sendo a única exceção os produtores brasileiros. Os graves problemas políticos, institucionais e econômicos que o Brasil enfrenta fizeram com que a taxa de câmbio aumentasse drasticamente nos últimos meses, trazendo aos produtores brasileiros uma sensação de que os fundamentos do preço da Soja são sólidos e o preço está firme, o que não é verdade.

Conforme pode ser visto no gráfico a seguir a taxa de câmbio está com cotação média de setembro em R$ 3,81/US$, a maior cotação média desde a implantação do Plano Real.


O que esperar da taxa de câmbio para 2016?

Se por um lado a forte crise econômica, política e de confiança tem mantido os preços em Reais da Soja em alta no Brasil, por outro, no momento em que houver um encaminhamento para as soluções dessas crises - o que mais cedo ou mais tarde ocorrerá, já que o próprio recrudescimento da crise acelera a sua solução - a tendência da taxa de câmbio será de queda. Além do mais, a taxa de câmbio costuma ser um dos primeiros preços a serem ajustados, muito antes da recuperação econômica em si.

Os produtores brasileiros não têm percebido a queda do preço da Soja pela disparada da taxa de câmbio. Isso não quer dizer, de forma alguma, que esse movimento cambial não seja positivo para os sojicultores, entretanto, a taxa de câmbio é uma variável exógena, portanto, fora do controle do processo produtivo, não havendo nenhuma garantia de sua manutenção até a colheita.

A taxa de câmbio está em franca ascensão e, de acordo com as expectativas para 2016 coletadas através do Relatório Focus do Banco Central, deve se manter em patamar elevado em 2016, próximo dos R$ 4,00/US$, o que seria muito bom para os sojicultores.

A Assessoria Econômica do Sistema Farsul entende que há fartos motivos para a taxa de câmbio se manter em patamar elevado, como espera o Relatório Focus, entretanto, ela é uma variável muito volátil e as expectativas podem mudar à medida que se altere o panorama político institucional.

Ao observarmos o gráfico anterior da taxa de câmbio, nota-se que apóS fortes altas, como em 2002, fortes baixas foram registradas na sequência à medida que se anuncia um encaminhamento para os problemas políticos institucionais do país.

A queda do preço no mercado mundial e importância da taxa de câmbio para o preço recebido pela Soja no Brasil. Para exemplificar o tamanho da queda do preço da Soja e a influência da taxa de câmbio no preço recebido pelo produtor brasileiro atualmente, a
Assessoria Econômica do Sistema Farsul realizou o seguinte exercício: multiplicamos o preço atual (US$ 18,32) em Dólares e multiplicamos pela taxa de câmbio média de Setembro de 2015, o que resulta no atual preço de R$ 69,63. Ao multiplicarmos o atual preço em Dólares pela taxa de câmbio média de 2014, temos um resultado bem diferente, atingindo apenas R$ 40,60, conforme pode ser visto na figura a seguir.


Se não fosse a forte depreciação do Real, por motivos outros que não o mercado de Soja, os produtores brasileiros estariam vendendo seu produto a preços realmente muito baixos, o que levaria a uma forte crise no setor.

O que fazer diante deste cenário?

• A primeira ação é tomar conhecimento dos riscos envolvidos e organizar um planejamento defensivo, já que pode haver uma inversão na taxa de câmbio até Abril de 2016, quando os produtores estarão colhendo a próxima safra. Se isto ocorrer, deverá haver uma forte perda para os produtores;

• Travar preços. Do mesmo modo que o preço deverá continuar subindo enquanto a taxa de câmbio estiver em apreciação, o contrário também é verdadeiro. Diante da volatilidade, das incertezas e do fato do preço da soja estar em bons patamares somente no Brasil e exclusivamente pela taxa de câmbio, variável na qual o produtor não tem controle, é importante travar preços, pois se ao travar limitamos os ganhos, por outro, limitamos as perdas. Na relação risco/retorno os níveis atuais de preço e as incertezas quanto o panorama político e institucional recomendam menor exposição ao risco;

• Travar, preferencialmente, com opções de venda. Os produtores podem travar no mercado físico, com entrega física do produto após a colheita e também no mercado futuro (Na BM&FBovespa ou Chicago). Este último não requer entrega física, sendo assim, não há riscos de o produtor pagar multa. Ao comprar Opção de Venda para Soja e para o Câmbio, o produtor ficará protegido contra mais quedas do preço da soja em Dólares e também contra queda da taxa de câmbio. Em caso do preço da soja subir e da taxa de câmbio também subir, o produtor perde apenas o valor que pagou pelas opções, da mesma forma que perde-se o valor do seguro pago sem a ocorrência de sinistro. Tudo o que subir o produtor ganhará no produto físico sem perder no financeiro;

• Como fazer: entrar em contato com corretoras de valores mobiliários, especialmente aquelas com mesa de derivativos agropecuários;

• Se eventualmente o produtor achar elevado o custo de travar a soja e o câmbio e prefira optar por um, trave com opções de venda o câmbio.


Fonte: Farsul.